Conecte-se conosco

Destaque

Saiba como montar um cardápio para seus clientes

Se você é um empresário do setor gastronômico, certamente já se perguntou como montar um cardápio de restaurante, afinal, a comida servida é basicamente o que movimenta tal tipo de estabelecimento.

Os itens que compõem o menu darão o tom da proposta e da estratégia do novo negócio, além de atrair clientes e criar consumidores fiéis. Confira as dicas que preparamos a seguir e veja como acertar nas escolhas para agradar sua clientela e fazer o empreendimento ter bastante sucesso!

Considere a capacidade da sua cozinha

Antes de determinar o cardápio é preciso ter em mente o tamanho e a configuração da cozinha, assim como o espaço para armazenamento dos ingredientes e alimentos, pois eles influenciarão diretamente no estilo do menu.

Se o layout da sua cozinha for muito compacto, você poderá funcionar de maneira eficiente com apenas um cozinheiro. Contudo, talvez você não consiga atender às demandas de um grande volume de vendas, porque o espaço é pequeno demais para acomodar mais de dois funcionários.

Por outro lado, se o layout da sua cozinha estiver mais espalhado, a equipe mínima necessária para operar em cada estação vai aumentar. Por exemplo, se uma estação de preparação de saladas estiver localizada longe da cozinha principal, você vai precisar de uma pessoa para preparar saladas mesmo quando o restaurante não estiver ocupado.

Os equipamentos de produção, como descascadores mecânicos, picadeiras e misturadores, são ótimos para reduzir o tempo gasto nessas tarefas. A chave é combinar o layout e os equipamentos apropriados com o volume esperado de negócio.

Escolha pratos que combinem com o estilo do restaurante

Primeiramente, o cardápio do seu estabelecimento deve estar alinhado à proposta do restaurante. Você abrirá uma hamburgueria, uma pizzaria ou focará em uma culinária específica, como a italiana ou a mineira?

Com base nessas informações, fica mais fácil fazer uma pesquisa aprofundada e descobrir as opções de pratos que serão disponibilizadas. Com esse estudo, você consegue compor um cardápio variado e fiel à ideia original, com boas alternativas de entradas, pratos principais e sobremesas. É válido pensar em guarnições completas, que sejam acessíveis ao público-alvo, sem perder a essência e o conceito do restaurante.

Crie uma atmosfera única

O cardápio de um restaurante deve conversar com o ambiente. Os elementos presentes no menu, assim como sua identidade visual, devem estar em harmonia com a mesa, as cadeiras, os pisos, a música e a decoração do local.

A ideia é criar uma atmosfera que vai além de um lugar longe de casa para se fazer uma refeição. A combinação dos elementos deve ser capaz de proporcionar intimidade, criando um ambiente que seja, ao mesmo tempo, aconchegante e prazeroso.

Para oferecer uma experiência diferenciada ao consumidor, será necessário investir na harmonização estratégica de todos os componentes que dão vida ao restaurante. Nesse momento, o cardápio se torna o elemento principal, pois será por meio do menu (e dos itens que o compõem) que o cliente iniciará a sua experiência.

Por isso, aspectos como identidade visual e design do modelo escolhido são muito importantes para conquistar e atrair a atenção do público. Além disso, outras ações devem ser levadas em consideração, como os pontos a seguir.

Adapte o cardápio ao ambiente

O design do cardápio é muito importante, por isso, além de uma aparência que dialogue com a identidade visual do restaurante, será preciso que o menu esteja de acordo com os elementos do ambiente físico.

Essa adequação tem que levar em conta o tamanho das mesas e os espaços entre as cadeiras. Caso contrário, os clientes poderão passar por algumas situações indesejáveis. Menus muito grandes, por exemplo, podem não ser a opção mais indicada para estabelecimentos com mesas pequenas, pois causam incômodo e prejudicam a experiência dos consumidores — isso ocorre por não ser possível abrir dois cardápios ao mesmo tempo.

Nessa situação, a indicação mais plausível é a de utilizar um layout menor, que combine com as mesas e o espaço. A ideia é fazer com que o menu, além de informar os pratos do local, seja um elemento que transmita a essência do restaurante em todos os aspectos do lugar.

Se o ambiente é clássico ou mais descolado, é importante imprimir esse estilo no cardápio. No entanto, lembre-se sempre de respeitar a identidade visual e a estratégia da empresa, além do tipo de comida que é servido.

Aposte na sinergia do cardápio com a decoração

A decoração do ambiente, que inclui retratos, pinturas e até elementos como o grafite, deve ter uma relação direta com o cardápio apresentado. Se conseguir adicionar elementos que conversem com a essência do restaurante nas paredes, pisos, mesas e cadeiras, o empreendedor oferecerá uma verdadeira experiência a seus consumidores, que vai muito além da comida e dos pratos oferecidos.

Saborear uma deliciosa refeição olhando para uma parede toda branca e vazia pode ser bem tedioso, não acha? Por que não utilizar esse espaço para divulgar curiosidades, informações e imagens sobre o conceito do restaurante, o tipo de culinária que é oferecido na casa ou, até mesmo, referências de ícones que façam sentido para o público-alvo?

Além disso, utilize a criatividade e aposte em itens decorativos condizentes com a faixa etária dos consumidores, a proposta e os valores que o restaurante deseja passar. Explore os sentidos dos clientes de forma que tenha lógica e agregue personalidade a sua marca.

Use as cores a favor do negócio

As cores utilizadas em um cardápio serão essenciais para despertar a atenção e desejos como a fome e a vontade de comer mais. Por isso, é importante que o menu de seu restaurante tenha uma combinação estratégica de tonalidades.

Muitos estabelecimentos utilizam as cores vermelhas e amarelas como forma de chamar a atenção. Contudo, é muito importante levar em consideração os elementos visuais da própria marca. A ideia é criar uma harmonia entre cores estratégicas e as utilizadas nas artes do restaurante.

Sempre invista naquele tom que provoque estímulos no consumidor. Assim, além de aumentar o ticket médio, será possível fidelizar e melhorar a experiência do cliente durante a refeição.

Utilize fotos reais

As imagens são alguns dos elementos mais importantes de qualquer cardápio. São elas que passarão a ideia de como uma refeição será servida. E, por conta disso, uma fotografia de qualidade é o diferencial no momento da escolha do consumidor. Assim, utilizar fotos bem produzidas dos seus pratos ajuda as pessoas a sentirem desejo ao ver o menu.

Fotos bem colocadas e de qualidade, feitas por um profissional, enriquecem as descrições dos pratos, deixam o visual mais interessante e aumentam as chances de que aquela opção seja, de fato, pedida pelos clientes. Por isso, priorize as fotos das refeições de maior valor agregado, para elevar o seu ticket médio.

As imagens devem ser tiradas com uma câmera profissional e, de preferência, por alguém que tenha experiência nesse tipo de serviço. É preciso também tomar cuidado com a iluminação na hora de fotografar os pratos e alimentos — a dica é utilizar a iluminação natural da manhã para fazer os cliques.

Os acabamentos das fotos podem ser personalizados de acordo com a logomarca e o estilo do restaurante, adicionando mais identidade às imagens. Contudo, é importante não tirar a atenção dos clientes daquilo que é o principal: o prato e a qualidade da fotografia.

Dê importância ao design

O cardápio é uma ferramenta de marketing muito importante dentro do seu estabelecimento. Quando bem apresentado e com um visual caprichado conquista os clientes no ato, sendo capaz de despertar a fome e a atenção até daquelas pessoas mais indecisas.

Resumindo, saber como montar um cardápio de restaurante apetitoso e bonito é essencial. Então, capriche no design e aposte em um layout moderno, priorizando letras simples — evite fontes cheias de firulas.

Em geral, existem dois formatos conhecidos de cardápio: com uma página só ou em forma de livro. Independentemente do modelo adotado, tenha sempre o cuidado de manter as informações organizadas, de maneira que possam ser facilmente compreendidas.

A experiência do usuário também deve ser considerada neste momento, portanto, insira todas as referências sobre o prato e seus ingredientes, preço e forma de pagamento. O molde pode seguir o estilo da cozinha, isto é, se o seu restaurante é focado em comida italiana, você pode usar as cores da bandeira do país para compor o seu visual.

Quando finalizar os textos do cardápio, revise-os cuidadosamente e procure também por um especialista, para que nenhum deslize passe despercebido. Erros de português transmitem uma péssima imagem do estabelecimento e podem até assustar quem lê o material. Além disso, informações equivocadas trazem, além de uma má experiência ao cliente, dor de cabeça ao gerente.

Uma sugestão de ferramenta para você mesmo montar o visual do seu cardápio é o Canva, na qual é possível encontrar vários templetes grátis de menus e editar os textos, cores, fundos e outros itens do seu material.

Menus eletrônicos também estão na moda e chamam muito a atenção dos clientes. Se for possível fazer tal investimento (caso esse modelo tenha a ver com o estilo do seu restaurante), saiba que ele pode ser muito prático. Esse tipo de ferramenta é capaz de oferecer mecanismos de busca, agilizar pedidos, minimizar erros e ainda reduzir o custo com funcionários, por diminuir a demanda de garçons, por exemplo. O uso da tecnologia é uma tendência que realmente pode fazer a diferença.

Pense na estrutura

A estrutura do cardápio vai depender do tipo de serviço que será realizado no seu restaurante. Para o serviço à la carte, por exemplo, temos:

  • entrada: saladas, canapés, bolinhos, sopas, cremes e outros alimentos dispostos com a finalidade de abrir o apetite do cliente;
  • prato principal: massas, risotos, aves, peixes, mariscos e carnes;
  • sobremesa: frutas, doces, cremes e queijos;
  • bebidas: geralmente são apresentadas no final do cardápio, porém, pode ser elaborado um menu separado para estes artigos — restaurantes mais refinados costumam ter um cardápio somente para vinhos.

Diversifique para atrair mais clientes

É muito frustrante sair com os amigos ou a família e não encontrar nada no cardápio que você possa comer. Vegetarianos e veganos, por exemplo, estão sempre em busca de opções de lugares com um menu variado.

Também é importante pensar em pratos que atendam a esses grupos, bem como a alérgicos, hipertensos, diabéticos e intolerantes ao glúten e à lactose. Isso faz com que seu restaurante atraia mais clientes e fique sempre movimentado. Não se esqueça também de incluir pratos de baixo valor calórico.

Assinale claramente no cardápio se a refeição leva algum ingrediente de origem animal ou alimentos como derivados do leite, ovos, castanhas ou frutos do mar, que causam as alergias mais comuns. Use a criatividade e pesquise por alternativas que vão além da salada e das opções mais óbvias.

Pense em receitas que sejam, ao mesmo tempo, vegetarianas e livres de glúten, por exemplo. Desta forma, o restaurante poderá oferecer mais opções para os clientes, que vão querer retornar para provar todos os outros pratos disponíveis no menu.

Recomenda-se também ter uma seção ou menu próprio para pratos infantis, que ofereça alimentação simples, com porções menores compostas por arroz, saladas, purês, macarrão, entre outras alternativas para este público.

Precifique corretamente

O preço dos pratos é um elemento essencial na hora de criar o cardápio. Para não afastar os consumidores com valores muito altos ou sofrer prejuízos, é preciso ter atenção quanto à busca pelo preço ideal. Comece estudando a realidade de seu público-alvo e também os concorrentes em potencial. Esses dados vão ajudá-lo a criar um cardápio com grandes chances de acerto.

Uma fórmula comumente usada no cálculo do preço de um prato é a de triplicar o valor de custo. Uma parte dessa quantia é o custo real da receita; outra é referente às despesas do restaurante — e a terceira seria o lucro.

Por mais que esse esquema funcione, é sempre bom, mais uma vez, checar com a concorrência e avaliar a reação do público. Muitas vezes, é mais eficaz revisar o planejamento financeiro e reduzir os gastos de um prato do que manter o preço nas alturas.

Considere a despesa com os ingredientes para a produção, os custos administrativos — funcionários, luz, água, segurança etc. — assim como a margem de lucro antes de precificar os pratos.

Lembre-se de que a margem varia de acordo com o serviço e o público de cada restaurante. Alguns especialistas estimam que o preço dos insumos não deva passar de 35% do seu valor de venda. Isto é, se um prato está sendo vendido a R$ 30,00, os insumos não podem custar mais de R$ 10,50.

Calcule bem os gastos para não haver remarcações no cardápio com frequência, uma vez que não é possível prever quando seus fornecedores aumentarão os preços.

Considere as condições financeiras do público-alvo

Outro ponto que deve ser levado em consideração é o poder aquisitivo do público que frequenta (ou frequentará) o restaurante. Assim como na ambientação e no estilo, os consumidores é quem vão decidir a forma como os elementos serão trabalhados. Dessa maneira, os pratos com maior procura precisam estar posicionados no topo do cardápio.

Outra dica é apresentar, basicamente, duas faixas de preço. Ofereça alternativas que conversem com a situação financeira do público em duas opções distintas: uma mais em conta e outra mais sofisticada.

Um bom cardápio deve ser equilibrado, oferecer alternativas mais refinadas (e, consequentemente, mais caras) e contar com outras mais acessíveis. Mesmo assim, existem truques que podem elevar os lucros. Uma ideia conhecida é a de evitar números redondos. Pagar R$29,90 por um prato parece ser muito mais atraente do que R$30,00, concorda?

Outra dica é a de deixar o preço após a descrição do prato, logo abaixo do texto. Muitos restaurantes colocam os valores logo ao lado do nome, à direita. Contudo, isso faz com que as pessoas procurem apenas pelas quantias mais baixas, em vez de lerem mais sobre os pratos.

Uma boa prática é caprichar na descrição (com riqueza de detalhes), fazendo com que o cliente fique com água na boca e, só depois, veja o preço. Assim, ele já terá sido conquistado pelo que leu — e poderá relevar o valor e fazer o pedido mesmo assim.

Tenha cuidado com a montagem

Além de selecionar os pratos, você deve ter cuidado com os seguintes pontos:

  • evite repetições: não adicione o mesmo ingrediente em muitos ou todos os pratos. Assim você garante uma variedade para que todos os clientes possam ter algo que gostem;
  • não exagere nas opções: você também vai ter problemas se tiver mais opções do que a sua cozinha é capaz de preparar ou contratempos com fornecedores, caso não consiga obter todos os insumos;
  • não rasure o cardápio: faça um novo cardápio caso seja necessário alterar algum produto, pois rasurar ou colar etiquetas no material prejudicam a estética, além de não passar uma imagem profissional ao seu restaurante.

Lembre-se de apostar na harmonia de todos os elementos do ambiente a fim de proporcionar uma experiência inesquecível aos consumidores.

Atualize o menu e invista em novidades

De tempos em tempos, é uma boa medida inovar e atualizar o cardápio. O período de um ano é o suficiente para avaliar os favoritos, que podem ser mantidos, e reformular ou substituir os pratos que não tiveram boa saída. Esse momento de revisão é ideal também para apostar em novas receitas e ingredientes.

Outro detalhe importante para isso é desenvolver uma boa relação com fornecedores confiáveis, a fim de conseguir sempre bons descontos e nunca ficar na mão em momentos importantes.

Em datas comemorativas ou horários especiais do dia, como um happy hour, seu menu pode contar com receitas exclusivas, descontos e outros diferenciais. Use essa estratégia para movimentar períodos com pouca atividade e, também, para aproveitar feriados e datas como o Dia das Mães ou o Dia dos Namorados — quando a procura por restaurantes é grande.

Para divulgar suas promoções, não é preciso, necessariamente, alterar o design do cardápio. Invista em cartazes, banners ou folhetos afixados no menu. Divulgue as informações também no site e nas redes sociais do estabelecimento.

Seguindo essas dicas sobre como montar um cardápio de restaurante é certo que você conseguirá oferecer mais qualidade, atrair mais clientes e ter um negócio bem-sucedido.

Agora, que tal aprender um pouco mais sobre o tema e descobrir se vale a pena implementar um cardápio eletrônico no seu estabelecimento?

5 Comentários

5 Comments

  1. Pingback: 6 dicas práticas para tornar seu restaurante mais atrativo – Blog Servir com Requinte | Franco Bachot Móveis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Destaque

Copyright © 2017 Servir com Requinte • Franco Bachot Móveis . Desenvolvido por Agência YoOu.

Send this to a friend